top of page

Livros

Livro - A Menina da Coluna Torta, por Julia Barroso
Livro - A Mulher da Coluna Torta, por Julia Barroso
  • Foto do escritorJulia Barroso

Grávida com escoliose. E agora?

Atualizado: 10 de abr.

Oi pessoal! Esse post é dedicado a todas as meninas e mulheres que me perguntam sobre como foi estar grávida com escoliose: uma dúvida tão frequente, que achei legal fazer um texto aqui sobre isso.


Esse é um tema complexo! Aliás, a coluna é complexa por si só, e a gravidez idem. Quando juntamos as duas, temos que ver no que vai dar. Para quem já sente dores nas costas antes da gestação, o maior medo é que elas piorem. Para quem não tem, o maior medo é passar a tê-las. Afinal, se tem uma coisa que todos nós queremos distância, é da dor. Na coluna então, nem se fala!


O que me inspira a escrever sobre isso aqui hoje é a quantidade de perguntas que recebo, frequentemente, de leitores do meu blog sobre como foi levar uma gravidez convivendo com a escoliose. Como eu tive que passar pela cirurgia, a curiosidade das pessoas fica ainda maior. Entendo perfeitamente esse questionamento, porque eu mesma também tive muitas dúvidas sobre como a coluna costuma se comportar, enquanto carregamos nossos bebês na barriga e, principalmente, como seria comigo, um caso de escoliose. Bom, na verdade, isso depende de pessoa para pessoa, como tudo. Mas as notícias que vêm de mim são animadoras:


1- Não, eu não tive dores, nenhuma sequer. A região da lombar, com o passar dos meses ficou um pouco mais cansada e, portanto, me obrigava a dar uma encostadinha de vez em quando na cama ou no sofá. Mas dor mesmo, nem passou por perto.


2- O fato de ser operada não me atrapalhou em nada: continuei com todos os movimentos normalmente. Depois de um tempo, o que atrapalha na verdade é o barrigão e não as costas!


3- Procurei fazer caminhadas esporádicas e leves, ao ar livre, para liberar a tensão do corpo.


4- Poderia ter feito o esporte que desejasse: o médico liberou a maioria das coisas. Não fiz de preguiçosa.


5- Não fiz Pilates (depois dos três meses) e nem Fisioterapia, pelo mesmo motivo de cima. Mas eu sei que essas atividades teriam me ajudado bastante a me sentir mais solta e menos cansada.


6- O meu parto foi cesárea, pois a principio eu só poderia tomar anestesia geral. Isso por causa da barra de metal, que deixa pouco espaço para a aplicação de uma peridural na coluna. No fim deu tudo certo e não precisei da geral. Se soubéssemos disso desde o início, sim, eu poderia ter tentado o parto normal tranquilamente.


O mais importante de tudo, para quem deseja evitar compensações e dores nas costas durante a gravidez, é seguir as recomendações médicas o máximo possível, inclusive no quesito ganho de peso. Com certeza, quanto maior o peso, maiores as chances de ter dores e incômodos, não só na coluna, mas no corpo todo. Além disso, tente manter-se em movimento sempre que possível. Dar uma andada e fazer uma hidroginástica leve, sempre ajuda. Mas claro, nunca faça nada sem que seu médico saiba. Afinal, cada caso é um caso.


No mais, é só esperar o bebezão vir ao mundo e ser feliz!!!!


Quer descobrir mais histórias de vida inspiradoras? Confira todos os depoimentos que publicamos aqui no nosso blog.


grávida com escoliose
Eu e minha barriga de grávida!



233 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Comments


Seção Saúde
Seção Superação
Seção lazer
Seção artigos
Seção crônicas

Arquivo

Destaques

Tags

bottom of page