top of page

Livros

Livro - A Menina da Coluna Torta, por Julia Barroso
Livro - A Mulher da Coluna Torta, por Julia Barroso
  • Foto do escritorJulia Barroso

Vamos aceitar que temos a coluna torta?

Atualizado: 21 de set. de 2023

Um assunto muito falado no encontro "Tratando Escoliose para Pais e Filhos" foi sobre a importância de aceitarmos que temos escoliose. Isso foi consenso entre os profissionais que cuidam da gente e também entre os pacientes. E, de fato, aceitar que temos a coluna torta e não nos revoltarmos, faz uma grande diferença no nosso emocional e na forma como encaramos o desafio. Fora autoestima, que melhora muito! Então, vamos falar sobre isso?


1. Reconhecendo a diferença

O primeiro passo para aceitar qualquer aspecto de nós mesmos é reconhecer a realidade da situação. Quando descobri a escoliose e soube que teria que usar colete, foi muito difícil, muito mesmo, eu só chorava. Mas aos poucos eu fui aceitando aquela realidade e tentando lidar de uma forma positiva, sempre focando nos resultados que eu teria se fizesse o tratamento direitinho. Não é fácil ser diferente. Eu me olhava no espelho - ainda olho - e via algo que eu não queria: uma coluna torta, bem diferente das outras que eu conheço. Porém, de que adianta reclamar sobre isso. Posso mudar essa realidade? Não, não posso. Então, é o famoso: aceita que dói menos! Mais fácil, né?

2. Da vergonha ao empoderamento:

No início, a escoliose pode trazer sentimentos de vergonha e insegurança. Eu também passei por essa fase, sentindo que não me encaixava nos padrões convencionais de beleza. No entanto, aos poucos, comecei a entender que minha escoliose era uma parte essencial da minha identidade. Em vez de me envergonhar, decidi me empoderar, usando minha experiência para conscientizar os outros e promover a aceitação da diversidade corporal.

3. A beleza da diversidade:

A sociedade muitas vezes nos impõe uma ideia estreita de beleza, mas minha jornada com a escoliose me mostrou a verdadeira riqueza de ser diferente. Aceitar a escoliose me ajudou a entender que tudo bem ter a coluna torta, porque eu tenho outras partes do corpo que eu posso valorizar e compensar o que não me agrada nas costas.

4. Crescendo mental e emocionalmente:

A aceitação da minha escoliose não apenas moldou minha perspectiva sobre a aparência física, mas também me permitiu crescer mental e emocionalmente. Aprendi a importância da resiliência, da autoaceitação e da autoconfiança. Essas lições têm um impacto imenso em todas as áreas da minha vida, desde relacionamentos até a carreira.

5. Inspirando e educando:

À medida que abracei minha escoliose, percebi a oportunidade de inspirar e impactar os outros. Compartilhando minha história e conhecimento, pude ajudar amigos, familiares e, até mesmo pessoas que não conheço, a entender melhor a condição e a importância da aceitação. Isso me trouxe uma sensação de propósito e realização.

Minha esperança é que minha história inspire todos nós a abraçar as partes únicas de nossas vidas e a encontrar força na aceitação de quem somos de verdade. Afinal, nossas imperfeições são o que nos tornam incrivelmente belos e autênticos, né, pessoal?


E você, já aceitou a escoliose na sua vida? Me conta!


coluna torta


51 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Comentários


Seção Saúde
Seção Superação
Seção lazer
Seção artigos
Seção crônicas

Arquivo

Destaques

Tags

bottom of page